Locativos

A classe dos locativos é fechada e compostas por palavras invariantes, não flexionadas. Comportam-se como pronomes na maioria dos casos, ou seja, substituem a contento sintagmas substantivos. Na Gramática Tradicional os locativos são tratados como advérbios de lugar.

Locativos em função de pronome

Observe a série:

  • Sou de Curitiba.
    Sou daqui.
  • Venha até Curitiba.
    Venha até aqui.
  • Ele é de São Paulo.
    Ele é de.
  • Vou até São Paulo.
    Vou até .
Continue lendo Locativos

Possessivos

A classe dos possessivos é limítrofe. Poderia ser considerada como um caso especial da classe dos adjetivos, mas tem características especiais como o fato de ser uma classe fechada e de ser flexionada em número, gênero, pessoa singular e pessoa plural. Em função dessas características, incomuns aos adjetivos, é que a consideramos em separado.

A classe dos possessivos é formada por um único lexema que apresenta 24 flexões. Perceba que cada possessivo que forma o lexema tem característica de número, gênero e pessoa, mas que a formação é irregular, ou seja, os morfemas que marcam cada uma das características não seguem um padrão regular.

Continue lendo Possessivos

Sintagmas da língua portuguesa

Os sintagmas são as unidades formais mínimas da sintaxe, ou seja, são as unidades que interagindo entre si formam as frases . Sintagmas são irredutíveis, quer dizer: não podem ser decompostos em trechos menores de discurso sem que percam a sua função sintática original. Aqui vamos relacionar e descrever os sintagmas da língua portuguesa.

Continue lendo Sintagmas da língua portuguesa

Essa língua portuguesa!

A língua portuguesa não é para fracos. São tantos detalhes e exceções que resolvi fazer essa postagem com algumas irritantes (hilárias?) particularidades do nosso idioma.

Elétron ou electrão? Próton ou protão?

Fiz umas pesquisas sobre partículas elementares e acabei na Wikipedia. Eu gosto da grande enciclopédia colaborativa mas acho uma chatice quando os verbetes da Wikipedia em português ficam povoados por aquelas referências duplas ao português PT e BR. Nos assuntos ligados à Química aparecem inevitavelmente textos do tipo: … porque os elétrons (português brasileiro) ou também chamados electrões (português de Portugal)…
Mas, bah tchê (pt-br-rs) ou oxente (pt-br-ne) ou ó raios (pt-pt). Será que não dá para passar sem esse zelo politicamente correto? E agora que fiquei indignado vou além: será que existe só o português PT e o português BR? Ninguém vai levar em conta o português da Guiné-Bissau, de Moçambique ou do Timor Leste que, com toda certeza, se diferenciam dos dois PTs dominantes? Bem, é melhor ficar quieto senão logo os chatos de plantão vão querer escrever os textos da Wikipedia PT com todas as variantes possíveis dos 9 países da comunidade lusófona.

Continue lendo Essa língua portuguesa!