Metáfora

A intuição de que estamos diante de uma metáfora começa quando, ao fazermos uma leitura imediata, nos deparamos com uma impertinência. Ou se atribui a um referente algo que não lhe diz respeito ou se classifica o referente numa classe a que não pertence. Constatada a impertinência, o receptor da mensagem vai aplicar à situação um algoritmo metafórico. Se a aplicação for plausível teremos a metáfora, caso contrário, um lapso, uma impropriedade ou outro fenômeno.

O algoritmo da metáfora comporta até quatro elementos:

  • comparado.
  • comparante.
  • atributo explícito.
  • atributo implícito.

Veja também: Conjugador de verbos em Excel

Para provar que existe lógica em nossa língua resolvi criar um conjugador de verbos em Excel. Baixe a planilha e use no celular ou no computador. Download Assista ao vídeo, veja como a planilha funciona e entenda melhor o nosso sistema de verbos.

Continue lendo “Metáfora”

Metaplasmo

Genericamente, um metaplasmo é uma alteração intencional do código, é exercício de criatividade sobre a língua. Os metaplasmos são praticados nos diversos níveis lingüísticos: gráfico, ortográfico, fonológico, gramatical.

Nosso  interesse está voltado para o uso retórico dos  metaplasmos, mas uma parte deles se difunde pelo uso e acaba levando à alterações diacrônicas do idioma.  Além disso, existe uma relação estreita entre a criação de  metaplasmos para uso retórico e a criação de léxico e gramática.

Continue lendo “Metaplasmo”

Metonímia

Como acontece com a metáfora, a leitura imediata de uma metonímia nos revela uma impertinência. O leitor tentará resolvê-la usando um algoritmo próprio para metonímias. Os elementos desse algoritmo são:

  • substituto
  • substituído
  • relação de contigüidade
  • decifração

Decifrar a metonímia consiste em chegar ao termo substituído, ou seja, ao referente que atende à dupla condição de ocupar a posição do substituto e manter com este uma relação de contigüidade. A decifração depende do contexto e deve ser pertinente a ele.

Continue lendo “Metonímia”

Ordem

O uso retórico da ordem é vasto. Há vários  tipos de ordem a considerar.

Ordem de emissão

É aquela que rege a emissão dos signos do discurso. No discurso oral é linear e temporal, ou seja, cada signo é emitido individualmente numa seqüência ao longo do tempo. A exceção é a dos discursos orais sobrepostos, quando mais de uma mensagem é veiculada no mesmo lapso de tempo. Basta lembrar dos quartetos da ópera lírica ou da música coral.

Continue lendo “Ordem”

Ortográficos

Antes de tratar das relações entre ortografia e Retórica, vamos comentar algo sobre a ortografia em  si, o que nos servirá de  ponto de partida para propósitos posteriores.

Ortografia é um conjunto de regras que disciplinam a emissão do discurso na sua forma escrita, que é a forma traduzida do discurso oral e pode adotar como unidade mínima o fonema, a sílaba, o morfema, a palavra. Também pode ter representação unitária para categorias superiores à palavra, como locuções, nomes, frases. A unidade mínima terá como correspondente na emissão visual, escrita, o grafema. As ortografias que usam o alfabeto romano são fonológicas. Ortografias que usam como unidade mínima a palavra, com alguma reserva, podem ser chamadas ideogrâmicas, pois remetem a palavras, que em geral remetem a idéias.

Continue lendo “Ortográficos”