Metonímia

Como acontece com a metáfora, a leitura imediata de uma metonímia nos revela uma impertinência. O leitor tentará resolvê-la usando um algoritmo próprio para metonímias. Os elementos desse algoritmo são:

  • substituto
  • substituído
  • relação de contigüidade
  • decifração

Decifrar a metonímia consiste em chegar ao termo substituído, ou seja, ao referente que atende à dupla condição de ocupar a posição do substituto e manter com este uma relação de contigüidade. A decifração depende do contexto e deve ser pertinente a ele.

Continue lendo “Metonímia”

Ordem

O uso retórico da ordem é vasto. Há vários  tipos de ordem a considerar.

Ordem de emissão

É aquela que rege a emissão dos signos do discurso. No discurso oral é linear e temporal, ou seja, cada signo é emitido individualmente numa seqüência ao longo do tempo. A exceção é a dos discursos orais sobrepostos, quando mais de uma mensagem é veiculada no mesmo lapso de tempo. Basta lembrar dos quartetos da ópera lírica ou da música coral.

Continue lendo “Ordem”

Ortográficos

Antes de tratar das relações entre ortografia e Retórica, vamos comentar algo sobre a ortografia em  si, o que nos servirá de  ponto de partida para propósitos posteriores.

Ortografia é um conjunto de regras que disciplinam a emissão do discurso na sua forma escrita, que é a forma traduzida do discurso oral e pode adotar como unidade mínima o fonema, a sílaba, o morfema, a palavra. Também pode ter representação unitária para categorias superiores à palavra, como locuções, nomes, frases. A unidade mínima terá como correspondente na emissão visual, escrita, o grafema. As ortografias que usam o alfabeto romano são fonológicas. Ortografias que usam como unidade mínima a palavra, com alguma reserva, podem ser chamadas ideogrâmicas, pois remetem a palavras, que em geral remetem a idéias.

Continue lendo “Ortográficos”

Oxímoro

Oxímoro é o enunciado contraditório à primeira vista, ou seja, faz-se a conjunção de duas proposições das quais uma é a negação ou implica na negação da outra.

O que diferencia o oxímoro da contradição propriamente dita é a intencionalidade do oxímoro, a proximidade dos termos contraditórios, a visibilidade flagrante e a admissibilidade de uma decifração.

Continue lendo “Oxímoro”

Repetição

A repetição como recurso de Retórica é praticada em diversos níveis: fonológico, gramatical, gráfico, etc. Há três casos de repetição:

  • Repetição de formas de mesma função, ocorrências redundantes.
  • Repetição de funções sob diferentes formas, igualmente redundantes.
  • Repetição de formas com diferentes funções. Não há redundância. Um exemplo: ‘Come para viver ou  vive para comer?’

    Continue lendo “Repetição”