Desaforismos e pensamentos incorretos 2019

Seguem mais alguns curtos cordões de palavras expelidas à guisa de humour.

  • O pragmático busca maioria, o fanático, unanimidade.
  • Teologia é ideologia. E vice-versa.
  • Quando posto nas redes sociais penso nas pessoas inteligentes que vão ler. A qualidade dos likes importa mais do que a quantidade.
  • Se você é pró globalização é anti globalismo e vice-versa.
  • Nosso marxismo cultural é tão fuleiro que os jovens só conhecem Bella ciao quando assistem La Casa de Papel na Netflix.
  • Conheça a escória da humanidade. Leia os comentários de notícias da grande mídia.
  • Dá para tirar boas fotos com qualquer câmera e fotos ruins com a melhor câmera. No entanto, certas fotos exigem a câmera certa.
  • Não confie em pessoas sem vícios. Tinha um vegetariano que não fumava, não bebia, nem era mulherengo. Chamava-se Adolf Hitler.
  • Pior que invasão de hacker é quando seu computador é invadido pelo Windows Update.
  • Quando a notícia começa com: Segundo especialistas …. redobre a atenção. Tem especialistas até em terra plana.
  • Quando alguém posta foto de jumento para representar seu adversário político o nome disso é selfie.
  • Ajude quem mais precisa e não quem chora mais.
  • Colecione conhecimento.
  • O mundo está dividido entre os que acreditam na lei de Murphy e os que vivem menos.
  • Meus avós não andavam com roupa furada. Quando furava, eles costuravam.
Continue lendo Desaforismos e pensamentos incorretos 2019

Minimalista pão-duro

Minimalismo e pãodurismo casam melhor que goiabada cascão com queijo minas. Dez dicas minimalistas pãoduristas:

  1. Pague à vista. A sociedade é movida a crédito, mas você não é a sociedade. Pague à vista e durma sossegado. Nada como olhar o saldo em conta e dizer: “o que tem aí é meu.”
  2. Pechinche. A milenar pechincha é um dever em certas culturas. Cumpra seu dever. Se quiser parecer mais elegante “negocie”.
  3. Não faça estoque. A não ser que você more no meio do mato e carneie seu próprio porco, deixe os estoques para quem lhe vende.
  4. Faça você mesmo. É indescritível a satisfação de fazer as coisas com as próprias mãos.
  5. Desapegue. Acumule experiências e não tranqueiras.
  6. Venda, doe ou descarte o que não usa. Se não usa venda, se não dá para vender, doe e se não está em condições mínimas descarte corretamente.
  7. Controle o orçamento com planilha. O Excel resolve a maioria dos problemas da humanidade.
  8. Mantenha uma reserva de emergência. Para não passar aperto ou vergonha nas horas difíceis.
  9. RRR reduza, reuse, recicle. Os três erres da ecologia se aplicam à vida em geral.
  10. Conserte em vez de trocar. Faça como seus avós: conserte, remende, transforme dois quebrados em um inteiro.

Bônus

De brinde algumas micro dicas pão duristas

  • Uma única saída para resolver várias coisas.
  • Defina o que comprar antes de sair.
  • Não vá ao supermercado com fome.
  • Passar roupa? Não passe por isso.
  • Freezer? É fria.

Lista de tarefas fundamentais

Segue uma lista de tarefas essencial, para mim pelo menos. E antes que me perguntem adianto: sim, realizo a maioria delas no meu cotidiano.

  • Arrumar o quarto. Talvez a mais importante de todas. Salve o mundo, arrume seu quarto. Estou falando em sentido literal e figurado.
  • Parar de operar com os quatro grandes bancos. A concentração bancária é uma calamidade no Brasil. Ajude as taxas de juro caírem, abandone os grandes bancos.
  • Duvidar de Datafolha e Ibope. No passado eu acreditava na moral ilibada e na técnica apurada dos grandes institutos, mas …
  • Uma vez por semana ser vegano. Reduzir o consumo de carne é bom para o meio ambiente, sua saúde, seu paladar.
  • Ler um autor conservador respeitável. Autores progressistas dominam o ecossistema cultural. Conheça o que existe além deles.
  • Anotar em quem votou a cada eleição. Com o tempo você vai ficar surpreso.
  • Fazer compostagem doméstica. Uma prática ecológica que demanda algum comprometimento.
  • Ser politicamente incorreto quando for o correto. Você vai concluir que quase sempre politicamente correto é dominação pela linguagem.
  • Colocar em dia a carteirinha de vacinação. Adulto e idoso também se vacina.
  • Adotar um vira-latas se puder cuidar dele até o fim. Mas tem que cuidar bem como bicho e não como gente.
  • Não guardar lugar na praça de alimentação. Tem gente que não entende essa.
  • Visitar 194 países antes de dizer “só no Brasil”. Duas vantagens nessa: viajar bastante e não ter complexo de vira latas.
  • Descobrir uma utilidade do teorema de Pitágoras. São tantas, não passe vergonha dizendo que mais um dia se passou sem você usar a Matemática.
  • Dominar o Excel. 80% dos problemas da humanidade são resolvíveis no Excel.
  • Trocar um pneu (se mulher). Não acredite em feminista que não troca pneu.
  • Lavar a louça (se homem). Homem com H lava louça.
  • Comprar perto de casa. Mova a economia local.
  • Evitar pós brancos como açúcar e sal. E tem mais pós a evitar.

A ilha dos chimpanzés satanistas

Em uma ilha isolada viviam 1000 chimpanzés que constituíram uma sociedade próspera. Graças a uma erva encontrada apenas na ilha os chimpanzés desenvolveram sua capacidade intelectual e formaram uma comunidade avançada. A paz era garantida graças à religião pacifista que os símios professavam. Mas como unanimidade é utopia dez macacos da pá virada resolveram criar uma segunda religião na ilha. Em vez de seguirem a Deus e praticarem o bem o grupinho de chimpanzés tresloucados cultuava Satanás.

Um belo dia, durante o culto principal da religião do bem foi servido como de costume o chá da erva miraculosa que elevava o espírito e a inteligência dos macacos. Por infortúnio do destino naquele dia o Grão Sacerdote se confundiu no preparo do chá e serviu a todos uma infusão com a erva errada. Todos os 990 chimpanzés presentes no culto morreram em questão de horas.

Continue lendo A ilha dos chimpanzés satanistas

O Telegram e a linha Marginot

Quando um hacker invadiu o Telegram do Ministro Sérgio Moro logo lembrei da linha Marginot. Depois da Primeira Guerra Mundial os franceses construíram uma linha de defesa na fronteira com a Alemanha para impedir um possível ataque alemão. Chamaram-na de linha Marginot e era considerada impenetrável, verdadeiro orgulho da engenharia militar francesa. Até os alemães concordavam que não dava para romper a linha Marginot, tanto que na Segunda Guerra Mundial invadiram a Bélgica e entraram na França pela fronteira belga.

Linha Marginot
Continue lendo O Telegram e a linha Marginot