E o Camaro amarelo ficou cult

A Universidade de Brasília divulgou as obras que podem ser cobradas em seu processo seletivo e a surpresa foi a inclusão da música Camaro amarelo da dupla Munhoz e Mariano na lista. Os candidatos que participam do PAS (Programa de avaliação seriada) da UnB terão que estudar criticamente esse clássico instantâneo do sertanejo universitário para se preparar melhor para as provas. Quando ouvi a notícia me veio à cabeça o pensamento: Se a ideia é fazer a garotada valorizar a cultura popular não seria melhor escolher uma canção sertaneja de raiz? Aí descobri que Cuitelinho, também entrou na lista. Perfeito. A canção interpretada por Pena Branca e Xavantinho é um belo exemplo da poética sertaneja, mas e o Camaro amarelo? Qual a razão para esse hit com mais de cem cavalos de potência ser objeto de estudo de adolescentes desesperados em busca de vaga em uma universidade de prestígio?

camaro amarelo

Quando prestei vestibular em mil novecentos e cacetadas a lista de obras da UFPR era formada por dez livros de literatura brasileira. Naquele tempo, cultura era ler Machado de Assis, Nelson Rodrigues, Dalton Trevisan, Carlos Drummond de Andrade e alguns outros. Vivíamos na ditatura da alta literatura nacional. Os tempos mudaram e hoje a UnB, por exemplo, adota uma lista mais eclética que inclui ensaios filosóficos como O príncipe de Maquiavel, músicas eruditas como Carmina Burana de Carl Orff, além de pinturas e obras arquitetônicas. Acredito que a lista da UnB é mais adequada ao ideal de formação humanística para a vida que a escola deve perseguir. Nesse ambiente moderno de abrangência e respeito à diversidade é que surge espaço para tratar da cultura popular na escola. Mesmo assim, creio que ainda não chegamos a um bom motivo para nos debruçarmos com ferramentas críticas sobre o motor do Camaro amarelo.

Estamos acostumados na escola a estudar clássicos e para ser clássico é preciso passar pela prova do tempo. Não é o caso de Camaro amarelo, lançada recentemente. Temos que lembrar, porém, que a escola de hoje sofre pressão para se dedicar aos temas atuais. Espera-se que o professor discuta em sala o que os alunos assistiram no telejornal da noite anterior. Sim, faz sentido partir do que está na boca do povo para alcançar o conhecimento formalizado. Se Camaro amarelo não é clássica certamente é o hit da vez assistido milhões de vezes no YouTube. A regra da atualidade é boa se não for aplicada a torto e a direito. Temos que nos ocupar dos clássicos também cuidando para não dar importância exagerada ao superficial, afinal o espaço da sala de aula é nobre e o tempo é curto para ser desperdiçado. Sem dúvida, Camaro amarelo pode render boas discussões em sala de aula sobre a evolução da música sertaneja, sobre consumismo e relações interpessoais frívolas. Além disso, os programas de vestibular orientam os rumos do Ensino Médio. Incluir um ponto fora da curva no currículo pode funcionar como um recado pedagógico: vocês aí na escola deem um pouco de atenção à cultura popular despidos de preconceito e com disposição para quebrar paradigmas. O que não convém concluir é que a canção seja sublime porque foi listada lado a lado com outras obras-primas. Só o tempo dirá se Camaro amarelo vai se tornar clássica como Cuitelinho.

Para arrematar, uma seleção de clássicos sertanejos:

12-12-12 12:12

Eu sei que o mundo só vai acabar no dia 21/12/2012, mas a data 12/12/12 me chama a atenção por conta de seus números repetidos. Tenho a impressão que algo inusitado pode acontecer no exato momento em que o relógio cravar cinco 12 no mostrador. Tudo bem que tive o mesmo pressentimento no ano passado por causa da aproximação de 11/11/11 11h11, mas nada de excepcional aconteceu, pelo menos nas órbitas do meu universo particular. Essa sequência de datas com repetições numéricas que começou em 01/01/01 01:01 se encerra em 2012 e só vai retornar no próximo século, considerando que não teremos 13/13/13 13h13. Por isso, apaixonados por regularidades numéricas aproveitem e abram um champanhe nessa última hora mágica do século.

Fim do mundo filme 2012

Datas com regularidades matemáticas sempre chamam a atenção. Ainda lembro de 02/04/08 16h32, de 08/09/10 11h12 e de 01/10/01 10h01.

Quem aguarda por números mágicos no calendário não deve entrar em desespero, pois eles continuarão existindo. O calendário sempre esconde regularidades numéricas interessantes, que talvez não tragam maremotos ou erupções vulcânicas, mas que encantam porque nos remetem à beleza da Matemática. Teremos outras datas misteriosas em breve. Uma dica para quem está sempre a espera de datas excepcionais; aguardem por 11/12/13 14h15 e 05/10/15 20h25. Quem realmente gosta de matemática vai gostar de 07/11/13 17h19.

O estilo Apple de ser

Esses dias eu acompanhava notícias sobre o lançamento de produtos Microsoft e percebi uma certa adesão ao estilo maçã de ser entre os homens das janelas. Os apresentadores usavam roupas descoladas e informais que passavam um ar casual e descontraído. Um novo estilo para combinar com os blocos de cores vibrantes do Windows 8 que substituem as janelas cinzentas. Novos tempos que contrastam com o estilo do chefão Steve Balmer e suas camisas sociais azuis ou do mega chefão Bill Gates e seus óculos de aros dourados. Bem, esse não é um post sobre o mundo fashion da tecnologia, mas sobre estilos de criar produtos e gerir negócios.
Lançamento do surface
Steve Jobs fazia suas apresentações de produto de calça jeans e barba por fazer. Esse estilo casual o deixava mais jovem, menos careta, mais artista, menos engenheiro, mais descolado, menos técnico. O estilo Steve Jobs de ser que se confunde com o estilo Apple tem feito escola. A marca Apple está associada ao design elegante, a produtos conceiutalmente redondos, além de inovação, usabilidade e ousadia. Tudo bem, há muitas restrições aos produtos Apple: são caros; não tem o alcance e a compatibilidade do Windows e na porta da Apple Store tem um leão de chácara que barra a entrada de aplicativos suspeitos como uma tal da Playboy que não pode mostrar corpos femininos desnudos nas telas da Apple.Os produtos Apple não se prestam a serviço pesado e as políticas da empresa seguem um puritanismo de shopping center que faria mia tia carola dar risada. Mesmo assim, a imagem da Apple é sedutora, jovial, casual e cada vez mais pessoas tentam imitá-la.
A indústria do futuro será conduzida por designers que desbancarão os engenheiros? É provável que sim. Os executivos do futuro vão usar cada vez mais calças jeans e muitos vão aderir ao budismo em vez de ir à missa todo domingo de manhã. O ambiente corporativo ficará menos estressante? Parece certo que os sargentões estão com os dias contados, logo teremos menos controle nas empresas, mas se o estilo Jobs for seguido à risca haverá uma cobrança insana por resultados.
Steve Balmer e Bill Gates

Yes, nós temos black friday!

Quando cheguei ao escritório pela manhã, logo ouvi as conversas sobre uma tal de Black Friday. Na minha caixa de correio não demoraram a pipocar ofertas imperdíveis. Sim, agora temos Black Friday, um novo evento indutor de consumo que entra para o calendário de mega compras do comércio. Vejamos os principais:

  • JAN – Saldões de janeiro. Consumidores passam a madrugada na calçada esperando a abertura das lojas para disputar como puderem os produtos.
  • ABR – Páscoa. Obrigatório consumir chocolate na forma de ovos e fazer penitência comendo uma deliciosa bacalhoada na sexta-feira santa.
  • MAI – Dia das mães. Mesmo quem não tem mais mãezinha precisa comprar para os filhos que vão presentear a esposa.
  • JUN – Dia dos namorados. Agradar namorado(a) é fundamental e os casados obviamente são eternos namorados. Quem está avulso que arrume um rolo para passar a noite feliz.
  • AGO – Dia dos pais. Embora os pais não costumem fazer campanha pró-presentes eles também merecem sua lembrancinha.
  • OUT – Dia das crianças. Quem vai recusar um presentinho para os pimpolhos?
  • NOV – Black Friday. Vamos aproveitar a renovação dos estoques gente!
  • DEZ – Natal. Coroando a orgia do consumo, todo mundo tem que dar presente para todo mundo.

Alguns meses ainda aguardam pelo seu evento catalisador de consumo, mas a criatividade dos marqueteiros há de fechar as lacunas, certamente. Não vamos esquecer de outros eventos de menor porte como o dia da secretária ou da sogra que atingem públicos específicos. Imagine o cidadão que levar a sério o calendário de compras do comércio e que tenha mãe, pai, esposa, filhos, amigos do peito, além de secretária e sogra. Lembrando que essa comunidade de presenteados também faz aniversário, o afortunado consumidor terá que fazer pelo menos 30 compras por ano.

A Sexta feira negra é um evento do comércio americano, mas essa não é a primeira vez que adotamos uma prática made in USA, portando, let’s go shopping

Quando o brega se tornar chique

Todo mundo consegue dar um exemplo de música brega, mas explicar o que é esse tipo de música não é tarefa simples. Para começar, brega não é um gênero musical, embora, seja costume associá-lo com ritmos populares como o sertanejo, o axé e, obviamente, o bolero, gênero oficial do corno. Esses dias eu estava com meu lado brega aflorado e comecei a fuçar no YouTube em busca dos clássicos dessa injustiçada modalidade musical. Nada como o tempo para nos dar uma perspectiva mais equilibrada; montei a minha playlist do fino do brega (confira no final deste post) e cheguei à conclusão que os rótulos precisam ser periodicamente revistos, melhor ainda se nunca fossem usados. Playlist montada, a pergunta continuava a martelar minhas têmporas: o que é o brega e por que insistimos em usar esse rótulo pejorativo?

Você esteve ao meu lado
E roubou a minha paz
Hoje me serve de exemplo
Vou fugir enquanto é tempo
Você é doida demais

Você é doida demais – Lindomar Castilho

Antes de responder, vamos fazer outra pergunta: Brega para quem? A origem do termo remonta à década de 1960, época em que certas músicas eram rotuladas de cafonas por segmentos da classe média. O termo brega surgiu na Bahia e originalmente designava um tipo de música tocado nas zonas de meretrício. Brega, então, era a música romântica de apelo popular que embalava as noitadas boêmias dos desiludidos no amor. Com o tempo, o termo passou a ser aplicado pela classe média e pelos críticos a todo tipo de música que reunisse características como:

  • Melodrama. O derramamento sentimental, os exageros caricatos e lacrimejantes seriam indícios de breguice.
  • Linguagem simplificada. A mensagem rapidamente assimilável, as rimas simples, o vocabulário básico e sem criatividade seriam indicativos do brega.
  • Estrutura pobre. Melodias fáceis, arranjos pouco inspirados, ausência de ousadias formais; coisas do brega.
  • Ingenuidade. Visões de mundo de pouco alcance, lugares comuns, desconhecimento das explicações abrangentes seriam breguices.
  • Ausência de atitude. Falta de comprometimento com causas genuínas, alienação, escapismo: marcas bregas.

Isoladamente, nenhuma dessas características define o brega, até porque é possível encontrá-las também em músicas respeitáveis. De qualquer forma foi com argumentos desse tipo que segmentos com escolaridade crescente de uma classe média em formação começaram a impor um novo padrão de qualidade na música. Nada contra essa busca incessante da qualidade não fosse o abismo social criado: de um lado os bregas e suas canções melosas e do outro a bossa nova, o tropicalismo, a música engajada, o rock e outros gêneros mais elevados. Infelizmente, os novos filtros da qualidade foram aplicados de forma indiscriminada prejudicando muitos que não mereciam ser lançados na vala comum da mediocridade. Além disso, nas entrelinhas desse novo manual de qualidade se alojaram alguns preconceitos implícitos. Era como se frequentar a universidade fosse pré-requisito para fazer boa música, como se certas cores ideológicas fossem ingredientes fundamentais da qualidade; como se algumas atitudes e temas fossem vetados por conta de um moralismo carola.

Sorria meu bem, sorria
Da infelicidade que você procurou
Sorria meu bem, sorria
Você hoje chora
Por alguém que nunca lhe amou.

Sorria, sorria – Evaldo Braga

Revisitando os clássicos do brega percebemos injustiças que nos dias de hoje seriam analisadas com olhos mais piedosos. Não coube ao Agnaldo Timóteo lançar a primeira música brasileira que falava sobre relações homossexuais? Qual o problema de Fernando Moraes confessar seu amor por uma cadeirante? Quer mais autenticidade que a do Odair José ao prometer que tiraria a namorada da zona? E o Sidney Magal que cantava rebolando não era um vanguardista de costumes?

Sabemos dos defeitos amplamente divulgados da música brega, mas algumas coisas me intrigam nos clássicos dessa modalidade. Não são eles que têm o poder satânico de penetrar em nossa cabeça a ponto de ficamos o dia inteiro repetindo aqueles refrãos hipnóticos? Já reparou que naquelas festas de empresa, nos casamentos onde se reúnem as gerações são os clássicos bregas que fazem todos tirar a bunda da cadeira e se esbaldar no salão como se fosse a última noite dos tempos? Talvez hajam qualidades mal avaliadas no fino do brega. Poucas, pouquíssimas músicas conseguem a façanha de resistir à prova do tempo. Se algumas músicas brega entram nesse grupo seleto é porque devem ter algum encanto que rabugice nenhuma de crítico consegue embaçar.

A dor do amor é com outro amor
Que a gente cura.
Vim curar a dor deste mal de amor
Na boate azul.

Boate azul – Joaquim e Manoel

O brega está em constante evolução. O fuscão preto está sendo ultrapassado pelo Camaro amarelo em uma sucessão interminável de novos hits. Algum dia a música brega vai desaparecer? No futuro, quando todos tiverem escolaridade elevada e gostos refinados teremos apenas música chique? Espero que não. Esse mundo ficaria muito chato.

O Ministério da Cultura adverte: Aprecie o brega com moderação. Em caso de uso contínuo um crítico deverá ser consultado.