Famílias de cédulas brasileiras II

As primeiras edições do Cruzeiro

Conheça as famílias de cédulas que circularam no Brasil desde a Independência até os dias atuais. São vinte e cinco famílias em 197 anos de Brasil independente, o que dá uma média de uma família criada a cada oito anos. A pouca longevidade de nossas cédulas reflete as turbulências econômicas e a inflação alta que corroeu o poder aquisitivo do papel moeda em vários momentos de nossa história.

Neste post temos o período com as duas primeiras edições do cruzeiro.

Cruzeiro segunda edição segunda família

A segunda família de cruzeiros foi criada para acompanhar o ritmo da inflação aumentando progressivamente o valor de face das cédulas. Iniciada em 1981 essa família circulou até 1990 convivendo por algum tempo com o cruzado que sucedeu o cruzeiro. A nota de 1000 cruzeiros, o popular barão, é um pouco diferente da versão lançada na família anterior. As efígies são variadas, sendo três delas de militares. Há dois padrões de design nessa família, mas o destaque fica para as cédulas simétricas que olhadas de ponta cabeça exibem a mesma imagem.

Família de cédulas cruzeiro 2a. edição
  • Cédulas: 8
  • Produção: 1981 – 1986
  • Circulação: 1981 – 1990
  • Emissão: Banco Central do Brasil
  • Impressão: Casa da Moeda do Brasil
Continue lendo Famílias de cédulas brasileiras II

Famílias de cédulas brasileiras I

Do cruzado ao real

Conheça as famílias de cédulas que circularam no Brasil desde a Independência até os dias atuais. São vinte e cinco famílias em 197 anos de Brasil independente, o que dá uma média de uma família criada a cada oito anos. A pouca longevidade de nossas cédulas reflete as turbulências econômicas e a inflação alta que corroeu o poder aquisitivo do papel moeda em vários momentos de nossa história.

Neste post temos o período que vai do Cruzado ao Real.

Real segunda família

A segunda família de cédulas do Real começou a circular em 2010. Foi desenvolvida com tecnologia e recursos de segurança mais avançados do que a geração anterior. Nela não consta a cédula de um Real da família anterior. São seis cédulas de 2, 5, 10, 20, 50 e 100 Reais. Na parte da frente exibem um rosto de mulher esculpido com coroa de louros e barrete frígio que representa a República e no verso animais da fauna brasileira. Essa efígie apareceu pela primeira vez na nota de 200 cruzados novos. As cédulas têm dimensões diferentes para facilitar o reconhecimento por deficientes visuais. Família enxuta, tecnológica e com unidade de design.

Real segunda família
  • Cédulas: 6
  • Produção: 2010 – atualidade
  • Circulação: 2010 – atualidade
  • Emissão: Banco Central do Brasil
  • Impressão: Casa da Moeda do Brasil
Continue lendo Famílias de cédulas brasileiras I

Minimalista pão-duro

Minimalismo e pãodurismo casam melhor que goiabada cascão com queijo minas. Dez dicas minimalistas pãoduristas:

  1. Pague à vista. A sociedade é movida a crédito, mas você não é a sociedade. Pague à vista e durma sossegado. Nada como olhar o saldo em conta e dizer: “o que tem aí é meu.”
  2. Pechinche. A milenar pechincha é um dever em certas culturas. Cumpra seu dever. Se quiser parecer mais elegante “negocie”.
  3. Não faça estoque. A não ser que você more no meio do mato e carneie seu próprio porco, deixe os estoques para quem lhe vende.
  4. Faça você mesmo. É indescritível a satisfação de fazer as coisas com as próprias mãos.
  5. Desapegue. Acumule experiências e não tranqueiras.
  6. Venda, doe ou descarte o que não usa. Se não usa venda, se não dá para vender, doe e se não está em condições mínimas descarte corretamente.
  7. Controle o orçamento com planilha. O Excel resolve a maioria dos problemas da humanidade.
  8. Mantenha uma reserva de emergência. Para não passar aperto ou vergonha nas horas difíceis.
  9. RRR reduza, reuse, recicle. Os três erres da ecologia se aplicam à vida em geral.
  10. Conserte em vez de trocar. Faça como seus avós: conserte, remende, transforme dois quebrados em um inteiro.

Bônus

De brinde algumas micro dicas pão duristas

  • Uma única saída para resolver várias coisas.
  • Defina o que comprar antes de sair.
  • Não vá ao supermercado com fome.
  • Passar roupa? Não passe por isso.
  • Freezer? É fria.

Lista de tarefas fundamentais

Segue uma lista de tarefas essencial, para mim pelo menos. E antes que me perguntem adianto: sim, realizo a maioria delas no meu cotidiano.

  • Arrumar o quarto. Talvez a mais importante de todas. Salve o mundo, arrume seu quarto. Estou falando em sentido literal e figurado.
  • Parar de operar com os quatro grandes bancos. A concentração bancária é uma calamidade no Brasil. Ajude as taxas de juro caírem, abandone os grandes bancos.
  • Duvidar de Datafolha e Ibope. No passado eu acreditava na moral ilibada e na técnica apurada dos grandes institutos, mas …
  • Uma vez por semana ser vegano. Reduzir o consumo de carne é bom para o meio ambiente, sua saúde, seu paladar.
  • Ler um autor conservador respeitável. Autores progressistas dominam o ecossistema cultural. Conheça o que existe além deles.
  • Anotar em quem votou a cada eleição. Com o tempo você vai ficar surpreso.
  • Fazer compostagem doméstica. Uma prática ecológica que demanda algum comprometimento.
  • Ser politicamente incorreto quando for o correto. Você vai concluir que quase sempre politicamente correto é dominação pela linguagem.
  • Colocar em dia a carteirinha de vacinação. Adulto e idoso também se vacina.
  • Adotar um vira-latas se puder cuidar dele até o fim. Mas tem que cuidar bem como bicho e não como gente.
  • Não guardar lugar na praça de alimentação. Tem gente que não entende essa.
  • Visitar 194 países antes de dizer “só no Brasil”. Duas vantagens nessa: viajar bastante e não ter complexo de vira latas.
  • Descobrir uma utilidade do teorema de Pitágoras. São tantas, não passe vergonha dizendo que mais um dia se passou sem você usar a Matemática.
  • Dominar o Excel. 80% dos problemas da humanidade são resolvíveis no Excel.
  • Trocar um pneu (se mulher). Não acredite em feminista que não troca pneu.
  • Lavar a louça (se homem). Homem com H lava louça.
  • Comprar perto de casa. Mova a economia local.
  • Evitar pós brancos como açúcar e sal. E tem mais pós a evitar.