Bia Falcão e os dólares na cueca

Novela de televisão é melodrama e uma das regras desse gênero é que, no final, os mocinhos se dão bem e os vilões se dão mal. Não foi o que aconteceu ao final da novela Belíssima. Bia Falcão, a vilã, após cometer alguns assassinatos no Brasil, foge em um jatinho para Paris, onde encerra a novela em grande estilo bebendo champanhe com seu gigolô trazido do Brasil. Outra regra válida para novelas é que, somente em alguns poucos casos, o autor tem o direito de formar opinião no público e que, na maioria das vezes, ele apenas reflete a opinião formada dos espectadores. Infelizmente, para criar esse final contrário às regras do melodrama, o autor de Belíssima não teve que contrariar a opinião formada dos telespectadores. Ao contrário, a novela teve o fim que teve justamente porque os telespectadores estavam preparados para aceitar um fim com inversão de valores.
Ocorreu algo semelhante em 1988 com a novela Vale Tudo, da Rede Globo. No final de Vale Tudo, o vilão também escapa em um jatinho e manda uma banana para os brasileiros da janela.
Diferentes épocas, mas o mesmo contexto social. Em 1988, o país vivia um período de grande desgaste da classe política diante da opinião pública. A população presenciava políticos corruptos escapando ilesos de qualquer punição por suas falcatruas. Em 2006, a situação não é diferente na degradação da vida política.
Como em todo melodrama, o final é o momento de se passar a mensagem. Seria típico esperar um final em que os valores positivos triunfam, o bem vence o mal, etc. Mas porque o autor optou pela inversão de valores? Por que Bia Falcão terminou tomando champanhe na janela, com a paisagem da Torre Eifel ao fundo? Por que o garoto de programa, que durante a novela toda teve a oportunidade e o incentivo para mudar de ramo, optou por acompanhar Bia a Paris em mais uma concessão do autor à negação dos valores que um melodrama deveria reforçar?
Infelizmente, autor de novela não forma opinião num caso desses. Ele não pode ir contra a vontade do público. E talvez o público queira mesmo ver os vilões se dando bem. Talvez seja esta a reação torta do público diante da ressaca moral que vive o país. Talvez o brasileiro se enxergue bem no papel de gigolô da classe política e ache natural carregar dólares na cueca como mula a serviço de políticos corruptos.


Veja também: Todos os países do mundo em Excel

Baixe a planilha com dados de todos os países e territórios autônomos do mundo. Download Assista ao vídeo com a análise dos dados da planilha.

Calendário Manossiano

Fim de ano chegando. Hora de planejar o ano seguinte. Pensando nisso, lanço aqui a minha proposta de alteração do sistema de calendário. As mudanças são basicamente as seguintes:

  • O ano passa a ter 364 dias mais o dia zero.
  • O ano passa a ter 13 meses com 28 dias cada um e quatro semanas de sete dias.
  • O primeiro dia do mês cai sempre na segunda-feira e o último, no domingo.
  • O dia zero não pertence a nenhum mês e a nenhuma semana. É um dia fora do calendário e acontece após o 28o. dia do 13o. mês.
  • O dia zero será um feriado mundial que celebra a renovação do ano e a fraternidade universal.
  • A cada quatro anos, teremos um ano com dois dias fora de calendário: o dia zero e o dia zero zero.

Será realizado um concurso em cada país que adotar o calendário manossiano para a escolha dos novos nomes dos dias do mês e dos dias da semana. Em um país cristão, por exemplo, o nome dos meses pode ser o dos apóstolos. O 13o. mês seria o mês de Jesus. É claro que o mês de Judas pode não pegar bem, mas este pode ser subtituído por Paulo de Tarso, por exemplo.

A vantagem do calendário manossiano é sua regularidade. Os meses têm sempre a mesma duração, Nâo há semanas que começem em um mês e terminam em outro. As pessoas sabem que o dia 8 sempre cai na segunda-feira, que o dia 27 sempre cai no sábado, etc.
Alguns problemas surgem. Por exemplo: talvez seja preciso recuperar o 13o. signo do zodíaco que se perdeu com as mudanças do calendário.

Planejamento plurianual de marketing

Fazer um book de fotos.
Fazer desfiles e comerciais.
Fazer bons contatos.
Namorar um esportista famoso.
Desmanchar o namoro.
Conceder entrevistas contando tudo sobre o namoro.
Aparecer em festas e eventos escolhidos cuidadosamente.
Posar nua para a Playboy.
Aparecer em talk shows e programas de auditório.
Namorar a sério um homem muito rico.
Casar com o homem muito rico em uma festa de arromba.
Publicar as fotos da lua de mel na revista Caras.
Conceder entrevistas contando como está feliz.
Abrir o apartamento de cobertura para a revista Caras.
Plantar rumores de desentendimento entre o casal.
Separar-se do homem muito rico.
Viajar para a Suiça tentando esquecer a separação.
Assinar contrato com uma emissora para estrelar programa de TV.
Namorar homens variados da moda.
Criar factóides diversos de manutenção.

Fins e meios

Beslan, 03 de setembro de 2004.

Vejo as fotos do massacre de Beslan e, inevitavelmente, penso em meus filhos de 12 e 7 anos, que continuam indo às aulas, que foram a uma festa na escola nesta semana. Os fins justificam os meios? Existe causa desesperada nesse mundo que justifique explodir crianças, que explique porque crianças em fuga foram baleadas pelas costas? Na imprensa, é preciso tomar cuidado com a forma de se referir às pessoas que participam de ações violentas, supostamente político-militares. Em alguns casos, usa-se o termo terroristas, em outros, guerrilheiros, combatentes, militantes. Para os participantes do massacre de Beslan, a única palavra que se encaixa é assassinos.